Checklist de viagem para bebês

Eu não me considero a louca das listas, mas acho muito útil em algumas situações para evitar esquecimentos. Uma das situações em que eu sempre faço uma listinha é antes de viajar. O checklist do que levar é essencial para não esquecer nada. E quando você tem um bebê em casa, a quantidade de coisas para levar parece infinita. Não dá para lembrar de tudo sem uma lista. Abaixo estão os meus itens essenciais para viajar com filho pequeno. Sugiro que você use a minha relação como base e monte seu checklist ideal.
Documentos
  • documento de identidade
  • cartão do SUS e/ou do plano de saúde
  • carteira de vacinação
Higiene pessoal
  • fraldas
  • lenços umedecidos
  • algodão / cotonetes
  • pomada para assaduras
  • sabonete para bebê
  • escova de dentes / pasta de dentes
Nécessaire
  • escova de cabelo
  • repelente
  • protetor solar
  • kit para cortar unhas
  • soro fisiológico (ou Maresis, Rinosoro, etc)
  • termômetro
  • remédios
  • álcool gel
Enxoval
  • toalha de banho
  • paninhos de boca
  • manta
  • cueiro / fralda de pano
  • babadores
Vestuário
Meu filho está com 11 meses e suja bastante roupa. Se eu estiver em um local em que consiga ir lavando as roupinhas dele, 2 trocas por dia são mais que suficientes. Do contrário, prefiro calcular 3 trocas de roupa por dia para não passar aperto. Normalmente sobra, mas vai que…
  • bodies
  • calças
  • shorts
  • casacos
  • meias
  • sapato
Alimentação
  • cadeirão de alimentação (o meu cadeirão é daqueles portátil, por isso eu levo)
  • comida
  • copo
  • bolsa térmica para levar as comidinhas
Diversos
  • brinquedos
  • carrinho
Depende do destino:
  • berço portátil
  • jogo de lençol
  • banheira
Depende do clima:
  • gorros
  • roupa de praia
  • brinquedos de praia

Checklist de viagem para bebês

Minha rotina de lavanderia

Minha rotina de lavanderia

Minha rotina de lavanderia

Hoje eu vim compartilhar com vocês como é a minha rotina de lavanderia. Como eu moro em um apartamento, não tenho muito espaço de varal para secar roupas. Eu tenho um pequeno varal de teto, em área interna, que acabo usando mais para as roupas do meu filho, e um varal de chão, que é usado para todo o resto. Não tenho secadora de roupas. Portanto, sinto a necessidade de ter um planejamento para lavar as roupas da família.

Roupas do bebê

Meu bebê suja muita roupa. Então meu marido lava as roupas dele diariamente à mão com sabão de coco ou sabão especial para bebês. Até pensamos em começar a colocar as roupas dele para lavar na máquina, mas são roupas muito encardidas. Precisam ser esfregadas antes. Sendo assim, meu marido acaba lavando à mão mesmo. E isso é feito diariamente para não acumular o serviço e para ter espaço suficiente no varal para secar.

Nossas roupas

Lavo uma máquina às segundas-feiras, pois minha diarista vai às terças. Assim, dá tempo de secar tudo para ela passar. No domingo à noite, costumo dar uma separada nas roupas: coloco meias e cuecas em um saquinho que vai à máquina, separo alguma peça que solta tinta para lavar separado etc. Na segunda de manhã, ligo a máquina antes de sair para o trabalho. Quando eu volto para casa na hora do almoço, aproveito para pendurar as roupas no varal.

Toalhas

Troco uma vez por semana, às terças-feiras. Já lavo no mesmo dia em que troco. Minha diarista que coloca na máquina para mim.

Jogo de lençol

Também troco uma vez por semana. Se houver espaço no varal, lavo às terças. Caso contrário, deixo para lavar na quarta-feira.

Roupa de cama e banho do bebê

Essas peças eu lavo na máquina, sempre aos sábados.

Itens diversos

Itens de estação ou que eu não junto quantidade suficiente para lavar toda semana, como jeans, por exemplo, eu lavo de acordo com a minha necessidade. Aí encaixo em algum dia em que haja espaço no varal.

Minha rotina de lavanderia

Meu varal de chão fica na mini sacada do meu apartamento. E lá bate sol direto no período da manhã. Então dou preferência por lavar as roupas de manhã, porque assim elas secam mais rápido. Como eu já comentei acima, tenho uma pessoa que me ajuda uma vez por semana. No dia que ela vai, ela passa todas as roupas que precisam ser passadas. O restante, eu já tiro do varal quando seca, dobro e guardo. E na casa de vocês, tem alguma rotina de lavanderia?

Organização financeira: primeiros passos para economizar

Organização financeira: primeiros passos para economizar

Foto por maitree rimthong em Pexels.com

Minha mãe sempre me ensinou a ser uma pessoa econômica e guardar dinheiro. Quando eu conheci o meu marido, aprendi a fazer isso de uma forma mais organizada. Ele mantinha uma planilha no Excel onde separava uma aba por mês e listava as categorias e os valores gastos.

Atualmente nós usamos o aplicativo Minhas Economias. Na verdade, uso mais a versão para PC mesmo. Nós não deixamos passar nada. Se doamos R$ 1,00 para alguém na rua, anotamos no nosso extrato de gastos. Isso ajuda muito a ter um controle e saber em que estamos gastando nosso dinheiro. Muitas vezes não sabemos como o dinheiro acaba tão rápido e, fazendo um controle, podemos identificar que aquele cafezinho diário, aparentemente inocente, está custando R$ 100,00 por mês, por exemplo.

Aqui é só um exemplo. A questão não é sobre o cafezinho. Se o cafezinho for importante para você e sua situação financeira não estiver apertada, sugiro que mantenha. Mas pode ser que, sem perceber, você esteja gastando seu dinheiro com algo que nem seja importante para você. Nesse caso, o controle financeiro vai te ajudar a identificar esse gargalo.

Além disso, o controle de gastos ajuda para podermos planejar nossas metas e objetivos. Organizando as contas, você consegue programar melhor a compra de um celular, uma viagem dos sonhos, entre outras coisas.

Minha sugestão é a seguinte: faça uma planilha ou procure um aplicativo que te agrade ou use um caderno. Escolha o que você achar mais prático e comece a registrar todos os seus gastos, separando por categorias. Seja honesto e anote tudo mesmo. Ao final do mês, veja quanto você gastou. Registre também sua receita mensal. Olhe bem para seu extrato e defina um limite de gastos mensal. Lembre-se de incluir um orçamento para algum lazer e imprevistos que acabam surgindo.

Definido seu orçamento mensal, é hora de separar um valor para investir. Por exemplo, vamos supor que sua média mensal de gastos seja R$ 1.900,00 e seus ganhos mensais sejam de R$ 2.100,00. Então, vai sobrar R$ 200,00 para você guardar. Se você tiver um salário fixo, você pode ter um valor pré-definido para investir. Quando receber, já tire da conta o valor que irá economizar. Caso não tenha um rendimento fixo, tudo bem também. Sabendo quanto você gasta (se imponha um limite), é só subtrair dos seus ganhos para definir o valor a economizar.

Onde você vai colocar o dinheiro que vai economizar? Aí é assunto para outro post…

Organização financeira: primeiros passos para economizar

Lista de compras do mercado

Lista de compras do mercado

Sempre tive o hábito de fazer uma lista de compras antes de ir ao mercado. Eu fazia da seguinte forma: antes de sair de casa, olhava na despensa, via o que estava faltando e anotava no papel. No entanto, muitas vezes eu acabava esquecendo de colocar na minha lista aqueles itens que eu não comprava com tanta frequência. Os itens de consumo semanal eu sempre lembrava de anotar, mas os outros…

Cheguei a baixar um aplicativo de lista de compras, mas não me adaptei. Então resolvi criar o meu próprio sistema. Para isso, fiz um arquivo no computador com minha lista de mercado (hoje esse arquivo fica no Evernote para que eu acesse facilmente tanto no computador quanto no celular). Antes de ir às compras, eu abro o arquivo e checo item por item. Vou conferindo se cada item marcado no arquivo está em falta em casa ou não. Anoto em um papel o que estiver faltando e, então, é só ir ao supermercado.

Eu fiz uma lista personalizada de acordo com as minhas necessidades. Se eu não compro ketchup, por exemplo, na minha lista nem consta este produto. Assim, acabo economizando um tempinho evitando checar uma lista cheia de coisas que eu não consumo. Olha só como ficou a minha lista:

Imagem da minha lista de compras do mercado

E você, tem algum método para fazer a sua lista de compras do mercado?

Quantidade ideal de roupas para bebês

Banner com o título "Quantidade ideal de roupas para bebês"

Durante a minha gravidez, não sabia muito o que iria precisar quando meu filho nascesse. É muito fácil encontrar na internet aquelas listas enormes de enxoval com “tudo que você precisa”. Em relação às roupas, a lista era enorme: x bodies manga curta, x bodies manga longa, x calças etc etc.

Se você está nessa fase da vida e quer saber qual o número ideal de peças de roupa para o seu bebê, sinto te desapontar, mas a resposta é: DEPENDE. Sim, depende do seu estilo de vida e, principalmente, da sua rotina de lavanderia. Para mim, o mais importante para definir a quantidade de roupas que meu bebê precisa é meu cronograma de lavanderia. Ou seja, tudo depende de com que frequência eu pretendo lavar e passar as roupinhas dele. Por exemplo, meu filho agora está com 10 meses. Ainda lavamos as roupinhas dele à mão, normalmente meu marido fica encarregado dessa função. As peças são lavadas diariamente. No entanto, as roupas costumam ser passadas apenas uma vez na semana. Portanto, precisamos de uma quantidade de peças que dure uma semana. Do contrário, eu terei que passar algumas peças na correria, ou usar algo sem passar mesmo.

Sendo assim, meu conselho é o seguinte: compre o mínimo necessário antes de o bebê nascer. De preferência, compre só itens tamanho RN (polêmica) e P. Conforme você for vendo como funciona sua rotina, você faz os ajustes necessários e compra o que estiver faltando.

Assisti: Movimento Tiny House

Tiny house branca com deck.

Vi recentemente que a Netflix lançou uma série chamada “Movimento Tiny House”. De cara me interessei e em um final de semana maratonei a primeira temporada, que é o que foi disponibilizado por enquanto.

A série traz um conceito de casas minúsculas que ainda não encontramos no Brasil, pois são casas móveis. Não são motor homes ou trailers, mas são micro casas que podem ser transportadas de um lugar para o outro, podem ser colocadas no quintal de uma casa maior, etc.

Cada episódio mostra uma família e fala dos motivos por ela ter decidido optar por uma tiny home. É muito interessante ver que com boas ideias e criatividade é possível otimizar ao máximo o pequeno espaço do lar. Há todo um mercado especializado em móveis multifuncionais e planejados para otimizar esses micro espaços. Além disso, a série também traz algumas dicas para quem precisa ou deseja reduzir a quantidade de coisas que possui.

Particularmente, eu gosto bastante desse conceito de pequenos lares. Quando eu casei, fui morar em um apartamento de menos de 40 m2 em São Paulo. Eu adorava meu apê. É muito prático viver em um pequeno lar, fora que muitas vezes, acho que pode parecer até mais aconchegante. Alguém mais assistiu a série? O que acharam?

Privação de sono e saúde mental na maternidade

Pessoa dormindo no sofá.

Foto por Pixabay em Pexels.com

Precisamos falar sobre saúde mental. Mais especificamente, precisamos falar sobre saúde mental na maternidade. Tenho um bebê de 10 meses. Ele não só não dorme à noite inteira, como no último mês passou por sua pior fase de sono. Todas as noites ele acordava 4 ou 5 vezes.

Para quem já vinha de 9 meses de noites mal dormidas (ou até mais, se considerarmos que no final da gravidez as idas ao banheiro e o tamanho da barriga já atrapalhavam um pouco o sono), esse último mês foi a gota d´água. Eu senti na pele como a privação de sono afeta a nossa vida. O cansaço físico é apenas uma pequena parte dos prejuízos que nos assolam. O esgotamento mental e suas consequências são as piores partes da privação de sono.

Eu me vi mais irritada e impaciente do que o normal. Qualquer coisa me dava vontade de chorar. Um copo de água que eu derramasse era motivo de desespero, não pela bagunça que eu teria que limpar, era só um desabafo por tudo que eu estava sentindo.

Cansado, irritabilidade, falta de disposição, vontade de chorar, stress, falta de concentração, falta de tempo. Não dava para fazer nada na minha vida além do estritamente necessário. Não dava para cuidar de mim, do meu casamento, do meu cachorro, ou até mesmo cuidar com mais disposição do meu filho. As horas de sono eram tão poucas que eu não podia abrir mão de nem um minuto sequer.

Fomos ao pediatra desesperados em busca de uma solução. Ele alertou que precisávamos mudar isso. Do contrário, em poucos meses eu teria que procurar a ajuda de um psiquiatra. O médico nos deu algumas orientações sobre o sono do nosso filho e nós colocamos em prática no mesmo dia. Não foi fácil. Hoje, uma semana depois, as coisas estão ficando mais tranquilas. A noite passada ele foi dormir às 19h45 e acordou só às 4h30 da manhã. Logo voltou a dormir e foi até às 6h40.

Claro que ainda me sinto cansada, mas aos poucos a vida vai entrando nos eixos. Gente, isso é só um alerta. Se vocês estiverem passando por uma situação parecida, procurem ajuda. A privação de sono é algo muito sério e muito prejudicial em diversos aspectos da nossas vidas.

Resenha: Kindle Paperwhite

Kindle Paperwhite

Comprei um Kindle há cerca de um ano. O Kindle é o leitor de livros digitais da Amazon. O meu modelo é o Paperwhite. Não sou uma grande leitora, mas ele contribuiu muito para eu aumentar a quantidade de livros lidos. O meu modelo é aquele que tem luz interna, que permite ler em um ambiente escuro, mas sem incomodar quem estiver perto de você. Consultei hoje na Amazon e a minha versão está indisponível. Mas há uma versão à prova d’água que está custando R$ 499,00.

A bateria do Kindle dura muito, dias e dias. Ele é super leve. Dá para levar na bolsa para onde for. Cabem muitos livros nele. Os livros digitais são mais baratos que os livros físicos. Além do que, você encontra vários livros para baixar gratuitamente na internet em sites confiáveis. Se você lê muito, ainda existe a possibilidade de assinar o Kindle Unlimited, que é tipo a Netflix de livros.

Outra vantagem é que o Kindle é um aparelho desenvolvido especialmente para a leitura. Por isso, diferentemente de um celular ou tablet, por exemplo, ler no Kindle não cansa a nossa vista. Fora que você pode fazer anotações no texto ou mesmo consultar o dicionário durante a leitura.

Só não recomendo o Kindle para aqueles livros que tem muitas e belas imagens ilustrativas, porque no aparelho é tudo em preto e branco. É o único porém. De resto, vale muito o investimento.

Cadê a qualidade dos calçados?

De uns tempos para cá, tenho notado como vários sapatos meus estão estragando rapidamente. Achei que fosse algum caso isolado, mas os sapatos estragados estão se alastrando no meu armário. Diante disso, fica a dúvida: a qualidade dos calçados está cada vez pior ou eu que ando muito errado? Prefiro acreditar na primeira opção. Não acho que eu saia por aí chutando o chão a todo momento.

Cadê a qualidade dos calçados

Parece que os calçados atuais foram desenvolvidos para serem usados apenas sobre superfícies extremamente planas e lisas ou com carpete / tapete. Ou então eu tenho que andar como se estivesse pisando na lua, sabe?

Eu ando mais disposta a comprar peças de qualidade, mesmo que tenham um custo um pouco mais elevado, mas que durem mais. No caso dos sapatos, parece que essa equação não funciona. O último estrago foi uma bota. Eu tinha uma botinha preta de cano curto e um pequeno salto embutido que eu adorava. Depois de alguns anos de uso, ela já estava bem judiada e achei por bem me desfazer dela. Como era uma bota muito versátil, quis comprar outra semelhante.

Não saí e comprei a primeira bota que vi pela frente. Pesquisei, fui a algumas lojas, experimentei e finalmente escolhi uma. Paguei R$ 229,00, o que não considero barato. Na primeira usada, raspei, de leve, o pé no chão do estacionamento do meu prédio e pronto! Botinha arranhada na primeira usada.

Eu considero que ando / piso normal. Agora os calçados não podem sobreviver a uma pisada um pouco mais brusca? Sou uma pessoa que procura consumir conscientemente. Estou cada vez mais consciente, mas assim fica difícil. Estou me vendo obrigada a trocar certos sapatos regularmente ou então andar com um visual desleixado.

Isso tem acontecido com vocês também? Têm alguma dica de marca cujo custo benefício valha a pena?